Portal do Governo Brasileiro

DRAGAGEM DO PORTO DE SANTOS
ECONOMIA, SUSTENTABILIDADE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMAS::

Monitoramento das condições climáticas tem atualização diária

Previsão do tempo e modelagem da dispersão são acompanhadas

O Programa de Modelagem Operacional da Pluma de Sedimentos fornece relatórios diários com a previsão do tempo, além de realizar estudos de modelagem a respeito dos descartes de sedimentos efetuados. Esse é um dos 24 Programas de Monitoramento Ambiental da Dragagem de Aprofundamento do Canal de Acesso ao Porto de Santos, que elabora boletins de previsão do tempo para garantir a segurança das equipes que executam e monitoram a obra. Paralelamente, fornece dados sobre a dispersão de sedimento descartado, ferramenta utilizada pela CODESP para avaliar os eventuais impactos gerados pela dragagem.

Para o desenvolvimento do trabalho, uma estação meteorológica foi instalada na Baixada Santista, próxima ao Canal 6, em Santos. Dotada de um conjunto de sensores, tem a função de registrar dados relacionados às condições atmosféricas locais, como temperatura do ar (termômetro), umidade relativa (higrômetro), quantidade de chuva (pluviômetro), pressão atmosférica (barômetro) e velocidade e direção dos ventos (anemômetro). Um técnico faz o acompanhamento, durante as 24 horas do dia, das condições climáticas para prever possíveis ocorrências.

O Programa utilizou também um ADCP (sigla em inglês, referente a Perfilador Acústico de Corrente pelo Efeito Doppler), que foi primeiramente fundeado nas proximidades da Ilha da Moela e, a seguir, na Praia da Enseada. Este instrumento oceanográfico é utilizado para medir a velocidade e direção das correntes ao longo da coluna d’água. A presença do ADCP, juntamente com a estação meteorológica, permitiu um melhor entendimento da dinâmica local, confirmando os resultados gerados pela modelagem e aumentando a confiabilidade nas previsões realizadas.

Boletins diários

Diariamente, são elaborados modelos atmosféricos e oceânicos (de onda e corrente). Com base nos resultados obtidos por esses modelos, são produzidos boletins com a previsão das condições meteo-oceanográficas para os próximos três dias, além de uma previsão de tendências para os próximos sete dias.

Os boletins são enviados por e-mail à tripulação das dragas e aos coordenadores dos outros Programas Ambientais. Profissional de modelagem, o consultor André Paim exemplifica que “as equipes de outros Programas fazem uso do boletim para organizar suas próprias campanhas de coleta, podendo se preparar melhor ou até adiar alguma saída a campo ao saber que as condições não vão estar propícias.”

Paim afirma que, “até mesmo as dragas paralisam suas atividades em caso de ventos muito fortes ou quando a ondulação do mar fica demasiadamente alta, permanecendo abrigadas até a condição do tempo normalizar.” O empreendimento pode parar, também, “se a modelagem mostrar que o sedimento descartado está atingindo a costa.” . Mas, de acordo com o especialista, “até o momento, os modelos não mostraram nenhuma situação em que isso tenha acontecido.”

Publicado por: DA REPORTAGEM